Prevenir o deterioramento cognitivo na idoso: Estimulação intelectual e plasticidade do cérebro.

Prevenir o deterioramento cognitivo na idoso: Estimulação intelectual e plasticidade do cérebro.

Atualmente, o envelhecimento da população constitui um dos maiores desafios para as sociedades contemporâneas com consequências a nível social, económico e político (Carvalho, 2013).
Portugal é um dos países mais envelhecidos a nível europeu e as projecções indicam que até 2050 o envelhecimento da população continuará a subir.

Portanto é fundamental promover a própria saúde de forma contínua, com vista ao envelhecimento ativo no idoso.

Como promover o envelhecimento ativo na área cognitiva?

É importante ter conhecimento de uma ótima notícia:

Neuroplasticidade: o nosso cerebro é plástico!

Isto significa que, ao contrário do que se acreditava, as conexões entre células nervosas do cérebro criadas na infância não se mantêm inalteradas durante toda a vida adulta do indivíduo.

Tornou-se um facto científico que a estrutura e o funcionamento do cérebro pode modificar-se até idade bem avançada, e novos neurónios são criados.

Portanto é fundamental estimular o cérebro, para contrastar o envelhecimento normal das celulas e manter-nos ativos.
Como podemos fazer isto?

Segundo o cientista Zimerman o conceito “estimular” é “o ato de investigar, ativar, encorajar e animar os indivíduos” sendo a melhor maneira de contestar os efeitos do envelhecimento.

Os programas para incrementar um envelhecimento ativo no idoso deverão:
• prevenir a doença
• otimizar o funcionamento psicológico e em especial o funcionamento cognitivo, o ajuste físico e maximizar o compromisso com a vida.

As áreas cognitivas que devem ser reforçadas em treinos parai dosos são:
• Orientação e atenção.
• Memória (a memória autobiográfica tal como a memória de acontecimentos recentes);
• Linguagem (compreensão, vocabulário e identificação de objetos);
• Cálculo (compreensão de números e cálculos);
• Capacidade de realizar movimentos, domínio do corpo, coordenação.

A estimulação das habilidades cognitivas proporcionam autonomia, aprendizagem e desenvolvimento.
Estimulado, o cérebro reforça ligações e ajuda na prevenção de deterioração. Vários estudos mostram que a estimulação intelectual é a melhor forma de ajudar o cérebro e proporcionar um envelhecimento saudável e ativo.

A seguir uma lista de exercícios que podem fazer no vosso dia a dia para treinar o vosso cérebro e prevenir a deterioração:

• leitura (melhor se em voz alta!)
• cálculos aritméticos simples e complexos
• palavras cruzadas

Bom Trabalho!


Fontes:
Sara Isabel Diegues Fernandes (2014), Estimulação cognitiva em idosos institucionalizados
https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/11546/1/Sara%20Isabel%20Diegues%20Fernandes.pdf

Partilhar: